DA IDADE MÉDIA AO RENASCIMENTO

published at 28/07/2017

O castelo de Chaumont-sur-Loire foi fundado cerca do ano mil por Odo I, Conde de Blois, a fim de vigiar a fronteira entre o condado de Blois e o condado de Anjou, governado por Foulques III Nerra.

O cavaleiro normando Gelduin recebe Chaumont e manda consolidar a fortaleza. O seu filho e sucessor Geoffroy, sem filhos, escolhe para herdeira a sua sobrinha-neta Denise Fougères, que casa, em 1054, com Sulpício I de Amboise. O castelo mantém-se, assim, na posse da família de Amboise durante cinco séculos.

Em 1465, Luís XI manda arrasar e incendiar Chaumont para castigar Pedro I de Amboise, pela sua implicação na "Liga do Bem Público" (conspiração dos nobres contra o rei). De novo em graça, são-lhe restituídas as suas terras. Empreende, então, a reconstrução do castelo, secundado pelo seu filho Carlos I. Depois, Carlos II, ajudado pelo seu tio, cardeal Jorge de Amboise, continua o empreendimento. Esta família poderosa e próxima do poder conhece o seu apogeu sob o reinado de Luís XII. Os seus membros são igualmente grandes mecenas como, por exemplo, Jorge de Amboise e o seu sobrinho Carlos II de Amboise.

Jorge de Amboise é arcebispo de Narbona e, posteriormente, de Ruão. Promovido cardeal, depois legado do papa, é o conselheiro privilegiado de Luís XII. É um dos primeiros a introduzir em França o gosto italiano e supervisiona a construção dos castelos de Chaumont, Gaillon e Meillant.

Carlos II de Amboise, parente do Rei, que lhe faz uma visita em 1503, é nomeado governador de Lombardia, marechal e, posteriormente, almirante de França. É o primeiro Francês a fazer encomendas a Leonardo da Vinci, cujo discípulo, Andrea Solario, manda vir para França em 1507.